11 de maio de 2009

A Vigília dos Cem Anos

Alguém de certo estranhará o título desta mensagem. Mas foi isto exatamente o que aconteceu numa pequena vila da Saxônia, na Alemanha, chamada "Hernnhut", que significa "A Vigilia do Senhor". O nome foi dado por um grupo de crentes que ali formaram uma colônia de refugiados em virtude de perseguição em sua terra, a Morávia, Checoslováquia, também chamada Boêmia. Eram remanescentes de um avivamento liderado por João Huss, padre católico que se influenciou com as doutrinas de João Wycliff, da Inglaterra; as quais enfatizavam a autoridade das Escrituras. João Huss começou a traduzir tais obras, mas teve de fugir da capital, Praga. Depois, apesar do salvo conduto do Imperador Sigismundo, compareceu ao Concilio de Constança para responder por suas supostas heresias. Foi aprisionado. Chamado a renunciar suas crenças, recusou categoricamente. Condenado à morte, foi queimado vivo na fogueira, em praça pública, no ano de 1415. Desapareceu o líder, mas o movimento continuou apesar das muitas perseguições que obrigaram os fiéis a procurarem refúgio onde pudessem. Foi assim que, 300 anos depois, um grupo deles apareceu nas terras de um jovem de 22 anos de idade, o conde Zinzendorf, fervoroso crente em Jesus, que os acolheu. Entre os crentes havia luteranos, batistas e também da Igreja Reformada. O jovem conde deu prova de um verdadeiro herói espiritual.

O Avivamento em Hernnhut - Desde a idade de 16 anos, o conde se distinguira como universitário e na formação de locais de oração, tática esta que aplicou em Hernnhut. No dia 12 de maio de 1727 foi celebrado solenemente o famoso “Pacto Fraternal", com inteira dedicação ao Senhor e ao estudo assíduo da Bíblia. Pequenos grupos se reuniam diariamente para a oração. O resultado foi um grande avivamento quando o espírito de intercessão tomou conta de todos os presentes. Até as crianças foram envolvidas no extraordinário movimento espiritual que sacudia a vila de Hernnhut. Oravam até altas horas da noite. No dia 27 de agosto, firmados na lembrança do fogo do altar do Tabernáculo 24 irmãos e 24 irmãs iniciaram a famosa vigília horária, dia e noite, semana após semana, que durou mais de cem anos, sem parar. Parece que em toda a história do Cristianismo nunca houve coisa igual. Assim, distante de qualquer orientação carnal, foram verdadeiramente inspirados pelo Espírito Santo, e tudo prosseguia sobre os moldes dos genuínos avivamentos, como no Dia de Pentecostes, na Igreja Primitiva, onde até a casa em que estavam reunidos tremeu (At 4.31). Hoje falamos muito em avivamentos. Queremos a evangelização do mundo. Há muitas organizações que a isto se dedicam. Porém a maneira mais certa para a evangelização do mundo é a descoberta do poder da oração e da intercessão.

Os Resultados do Avivamento - A dissensão tornou-se desconhecida entre os crentes. Zinzendorf escreveu que “todo o lugar tomou o aspecto da visível habitação de Deus”. E a oração constante era mantida, dia e noite, a favor de um avivamento em todo o mundo, era uma chama que ardia até na alma das crianças. Todos do grupo eram bem jovens. Dentro de seis meses de vigília foram impulsionados a enviar missionários para as Ilhas do Mar das Antilhas, Groenlândia, Turquia e Lapônia. Surgiram as dúvidas, mas Zinzendorf insistiu. Vinte e seis morávios ofereceram-se como voluntários para a evangelização do mundo. As proezas da fé e a coragem constituíram os monumentos mais auspiciosos na história da Igreja. Nada pôde, pois, segurar Zinzendorf e seu grupo de intrépidos soldados de Cristo. Prisões, naufrágios, perseguições, zombarias, epidemias, pobreza e ameaças de morte não os puderam deter.

Os primeiros missionários chegaram às Antilhas em 1732, e, no decorrer dos dois anos seguintes, 22 desses morávios morreram. Outros vieram substituí-los. Um dos primeiros foi Frederich Martin. Ele e os companheiros foram presos por pregarem aos negros, permanecendo encarcerados por três meses. Mas uma atitude exemplar os distinguiu quando se deram intensamente à intercessão, como Paulo e Silas na prisão em Filipos. E um número de 700 convertidos reuniu-se o mais perto possível da prisão para cantar hinos e ouvir sermões inspirados dos dois denodados pastores. E surgiu um glorioso avivamento. Foi quando, inesperadamente, chegou o conde Zinzendorf a bordo de um veleiro, na sua primeira viagem missionária, acompanhado de dois casais que vinham reforçar o número de obreiros. Ao aproximar-se da Ilha, disse o conde aos novos missionários: “E se não encontrarmos ninguém? Se todos os missionários tiverem sido assassinados?”. A resposta logo se fez seguir por parte de um dos missionários: “Mas então nós estamos aqui!” Esta disposição muito impressinou Zinzendorf, que exclamou: “Geens aeterna diese Maehren!” (“Essa raça eterna, esses morávios”!). O conde conseguiu a libertação dos dois pastores, que estavam doentes e padecendo fome. E foi grande a surpresa no tocante à obra do Senhor, que se tornou maior que em Hernnhut. Deus continuava a levantar obreiros, cada vez mais, à medida que os morávios na pequena ilha intercediam diante de Seu tono, sem parar, dia e noite, década após década, durante 100 anos. No ano de 1792, William Carey (considerado o “Pai das Missões”) propõe uma reunião em Kettering, Inglaterra, uma missão para ir à Índia. Nesta época, quando os morávios já haviam enviado 300 missionários, Carey lançou sobre a mesa um exemplar de um periódico contendo as “aventuras” dos morávios, dizendo: “Olhem aqui, vejam os que os morávios já fizeram! Por que não podemos seguir o seu exemplo, e, em obediência a nosso Mestre celestial, sair por todo o mundo e pregar o Evangelho aos pagãos?”.

Os historiadores da Igreja relatam as maravilhas do avivamento do século XVII como o “Grande Despertar” espiritual na América do Norte e na Inglaterra conduzindo dezenas de milhares para Cristo. Uma das figuras principais neste avivamento foi João Wesley, fundador da Igreja Metodista. Mas nem todos sabem que foram os modestos morávios que o ganharam para Cristo. É oportuno lembrar que foi no ano de 1736 quando dois irmãos anglicanos João e Carlos Wesley se encontravam a bordo de um navio a caminho da América e surgiu um terrível furacão ameaçando suas vidas. Eram pastores, mas não convertidos. Apavorados, procuraram alguns morávios que também viajavam com eles. E a calma destes e o espírito de confiança em Deus no meio da tormenta muito impressionaram os dois pastores, os quais não tinham paz na alma.

Pregavam para outros, mas eles mesmos precisavam da certeza da justificação pelo sangue de Cristo. Contudo, somente dois anos depois, em 1738, numa reunião dos morávios em Londres, é que o pastor Peter Boehler foi usado por Deus para levar a plena luz da conversão, do novo nascimento e a conseqüente segurança da fé em Cristo para o jovem João Wesley. Este ganhou seu irmão Carlos para a mesma experiência de fé. E deste modo, pregando a salvação pela fé nos méritos do sacrifício de Cristo, tornou-se um ganhador de almas. Por sinal, a primeira pessoa a quem testificou foi um preso, condenado à morte. Não demorou muito quando João ganhou para Cristo sua idosa progenitora, Susana, mãe de 19 filhos.Os metodistas e os morávios freqüentemente se reuniram para estudo da Bíblia e oração. O grande pregador George Whitfield, companheiro de Wesley, que foi tão grandemente usado por Deus no despertamento da América, recebeu um grande impacto em sua alma pelo contato com os morávios. Acerca de uma dessas reuniões escreveu Wesley em seu diário: “Por volta das três horas da madrugada, enquanto continuávamos em oração, o poder de Deus desceu intensamente sobre nós de tal forma que muitos choraram e muitos caíram no chão. Quando me refiz um pouco daquele grande impacto da presença da Majestade suprema, uníssonos cantávamos: “Nós te louvamos, ó Deus; nós de reconhecemos como Senhor”. O grande líder João Wesley formou o Metodismo, que salvou a Inglaterra da desgraça da Revolução Francesa. Foi o impacto do Espírito Santo e o ensino bíblico que trouxe tão grandes resultados espirituais no oportuno exemplo desses irmãos morávios, inspirando-se na Vigília dos Cem Anos. (A Seara - Ms Lawrense Olson)

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Leonard Ravenhill escreveu: "Nós organizamos, mas não agonizamos"; isto mesmo, nós organizamos tudo no reino do céu, mas não agonizamos por ele, isto é, nós não abdicamos da nossa vida por causa dele. É por isso que a porção do "óleo precioso" foi diminuída (Salmos 133:1,2; Ezequiel 16:27; Joel 1:10). Voltemos ao primeiro amor para que a chama do Espírito Santo volte ao seu lugar de origem, no altar do Senhor, e arder continuamente sobre ele. Amém!

    ResponderExcluir