17 de setembro de 2018

52 razões para usar folhetos evangelísticos


por Doug Salser

Qualquer cristão comprometido pode usar folhetos e demais literaturas evangelísticas quase em qualquer lugar , quase a qualquer hora!  Escolha o folheto com cuidado, certificando-se de que eles apresentem as palavras de Deus na Bíblia e possuam uma explicação clara e bíblica da salvação. Se você está fazendo um esforço consciente para crescer em Cristo e ser guiado pelo Espírito Santo, Deus vai lhe dar muitas oportunidades para usar folhetos/literaturas para compartilhar o evangelho a cada semana e normalmente todos os dias - se você estiver disposto!

Um bom motivo para usar um folheto é por que...

Oferece um caminho para os cristãos responsáveis para compartilhar o evangelho, muitas vezes e amplamente. É tão fácil de dar a outra pessoa com um sorriso e incentivo para ler.

Explica o evangelho de forma clara e simples para que o leitor possa tomar uma decisão de confiar em Cristo se ele está naquele ponto em seu entendimento e desejo pessoal de acreditar. 

Vai a qualquer lugar com você, trabalho, escola, férias, shopping, restaurantes.

Pode realizar seu objetivo a qualquer hora do dia ou da noite, inverno ou verão, momentos bons ou ruins, "agora" ou "mais tarde".

Pode tirar proveito de um evento especial, eleições, Dia das Crianças, eventos esportivos, levando em conta esse interesse das pessoas e demonstrando a verdade de Deus relacionada a ele.

Injeta verdade espiritual através de mensagens do evangelho especializadas durante as épocas de Natal, Ano Novo, Páscoa, Carnaval, quando as pessoas estão pensando sobre eles.

Adora viajar por pessoa, ou por correio; e muitas vezes é lido por mais de uma pessoa!
Pode ser adaptado a muitos outros formatos - jornais, revistas, blogs e e-mails.

Custa muito pouco, tornando-o fácil de comprar para distribuir.

São tão acessíveis que podem ser usados em quantidade, multiplicando  o seu testemunho.

É portátil, cabe no bolso, bolsa, agenda, bolsa para laptop, porta luvas do carro, etc.

Aborda temas que estão na mídia, bem como tópicos que são atemporais.

Usa uma variedade de formatos de design e estilos que lhe dão muitas opções e favoritos.

Se encaixa em sua rotina normal da vida, se você está vivendo uma vida cristã coerente.

Oferece o ponto de vista de Deus sobre a vida e questões de morte.

Transmite o seu ponto de vista em um formato fácil de ler, breve, adequado para uma mensagem de áudio, mensagens de texto por celular, geração de e-mails.

Atravessa obstáculos educacionais e está disponível em vários níveis de complexidade, das mensagens mais simples às mais elaboradas.

Podem se comunicar em idiomas que você não fala.

Abrange as diferenças de idade e de gênero.

Não requer um grau de conhecimento, dons especiais, treinamento ou experiência de usar.

Nunca muda ou compromete a sua mensagem.

Atravessa barreiras socioeconômicas.

Pode conter a única porção da Palavra de Deus que algumas pessoas já leram na vida.

Nunca argumenta ou perde a paciência, nunca se cansa ou desiste.

Dá a sua mensagem, quando o leitor está pronto a recebê-la.

Continua a repetir sua mensagem tantas vezes quanto necessário.

Servem como pontes étnicas / para atravessar barreiras culturais.

Pode iniciar uma conversa.

Reforça o que você diz sobre o evangelho em uma conversa, ou sermão.

Compartilha a sua mensagem quando uma conversa não é possível, em uma carta, com um pagamento de contas, ou quando você tem apenas alguns segundos com outra pessoa.

Pode abordar temas importantes (quando escrito por um especialista), temas nos quais você não é pessoalmente um perito (em temas de ciência ou pró-vida, por exemplo).

Pode se comunicar com alguém que não sabe ler, que recebe alguém para ler para ele.

Geralmente adiciona sua mensagem a outros fatores do passado do leitor que pode, eventualmente, levar a pessoa à salvação.

Mantém a sua mensagem para que o destinatário possa voltar a lê-lo muitas vezes, se desejado.

Pode orientar a pessoa a confiar em Cristo como Salvador, como ele entende a sua mensagem.
Fornece um ponto de referência para o leitor encontrar ajuda espiritual entrando em contato com a editora, igreja local, ou site listado na parte de trás.

Pode ser usado em saídas da igreja do bairro e em visitação a outros locais.

Pode ser reformatado e usado com permissão da editora/responsável em anúncios de jornal, boletins da igreja ou enviados por correio em datas estratégicas, como Natal, Páscoa, feriados patrióticos, tempos de dificuldade ou desastre.

Pode ser adaptado para a internet (com permissão) para espalhar a sua mensagem entre as pessoas e lugares onde não podiam ou não podem chegar através de papel e tinta: através de e-mail, blogs, sites, redes sociais, etc.

Faz uma apresentação adequada para dar com lembranças de Natal (ou presentes) para os vizinhos a cada ano. Um excelente acompanhamento para dar a todos os frequentadores de programas e eventos da igreja, corais natalinos, de Páscoa e em ocasiões patrióticas.

Adapta-se facilmente em envelopes de pagamento de contas, assim você pode compartilhar o evangelho com pessoas que você nunca vai alcançar de outra forma... enquanto você paga suas contas em dia!

Pode ser dado aos garçons em restaurantes, manobristas de estacionamento, e atendentes de hotéis, depois de uma amigável interação e SE você ofereceu uma gorjeta. Pois assim você aumenta em muito as chances do material ser realmente lido.

Pode ser entregue a qualquer pessoa que o ajudou em uma loja, auxiliou-o no registro, dando-lhe conselhos sobre o produto ou direções para achar um item... Se você exibiu uma atitude cristã durante essa interação.  

Pode ser distribuído no exterior em viagens de curto prazo de missão, estudo, a trabalho ou em férias, no idioma do país a ser visitado.

Pode ser usado com a juventude e em programas infantis para se certificar de que o evangelho é claramente apresentado e levado para casa para que os pais possam também receber a mensagem.
Funciona bem como um auxiliar durante programas especiais de sensibilização da comunidade e eventos como culto ao ar livre, ações sociais, Natal e apresentações de Páscoa, etc.

Pode ser colocado em um balcão de negócios ou aparador de escritório para as pessoas pegarem, em suportes de folhetos em locais públicos, empresas e áreas de alto tráfego, e onde as pessoas fazem muita espera.

Podem ser incluídos em pacotes de socorro e cestas básicas e de Natal que são dadas a famílias carentes.

Pode enfocar diretamente certas crenças falsas, seitas, cultos e religiões, comparando esses ensinamentos à verdade de Deus nas Escrituras.  

Pode ser incluído com um cartão de Natal ou carta anual para um testemunho evangélico claro.
Dá-lhe a oportunidade de compartilhar o evangelho até mesmo no mais breve dos encontros pessoais com clientes ou vendedores, atendentes de estacionamento, motoristas de ônibus, seu médico e sua equipe, motoristas de táxi. Em nosso mundo ocupado você vai ver muitas pessoas na próxima semana que você pode nunca ver de novo, mas graças ao seu ato de semear, muitas delas podem aprender sobre a oferta de Deus de perdão e da vida eterna!

Lembre-se ... quando Deus quis revelar-se a Si mesmo, a Sua vontade e o Seu plano para a humanidade, Ele escolheu a impressão da Bíblia!  Ele vai sempre usar o impresso, contanto que Ele continue a usar a Sua Palavra escrita. Estas razões ilustram porque um folheto evangélico é o melhor "púlpito portátil" que conhece a humanidade!

Traduzido a partir de http://www.litmin.org/materials.php?id=3
 "© Literature Ministries International (www.litmin.org). Reproduzido com permissão."

Fonte blogue Veredas Missionárias

14 de agosto de 2018

Pieta, e seu Porquinho Cor-de-Rosa



Um leitor me pediu novamente a história de Pieta, e seu Porquinho Cor-de-Rosa. Indico o link, publicado aqui no PM, uma história missionária extremamente triste, uma história de rejeição, de morte, mas, contudo, com um final feliz com o perdão de Deus e Sua graça sobre quem foi perseguidor do Evangelho de Jesus. Leia essa história. Compartilhe e deixe o seu comentário. Clique no link abaixo: 

Pieta, e seu porquinho cor-de-rosa

22 de junho de 2018

Por Que, às Vezes, Alguns Missionários Fracassam


Por Que, às Vezes, Alguns Missionários Fracassam e o que a igreja pode fazer a respeito

John Kayser

Certa ocasião, um amigo meu foi enviado para as Filipinas como missionário, e ainda quando ia do aeroporto para seu novo lar, teve um grande choque cultural. Ele se recusava a sair da base da missão, foi ficando retraído e passou a se comportar de um jeito meio esquisito. Os líderes da missão chegaram a pensar em mandá-lo de volta para casa.

Entretanto, depois de quatro dias de sua chegada, dois amigos missionários o pegaram pelo braço e o forçaram a ir dar uma volta com eles. Então, eles o levaram ao mercado, onde ele pôde entrar em contato com cheiros, sons, ver os lugares, e tudo o mais. Também o levaram a um restaurante típico do local, e o fizeram experimentar a comida. Durante esse tempo, eles compartilharam com ele as suas próprias experiências, e isso começou a mudar o seu modo de pensar, fazendo com que ele percebesse que as coisas não eram tão ruins assim. Esses amigos estiveram com ele em todo o tempo durante o seu primeiro ano. No final, ele acabou servindo ao Senhor naquele campo por mais de 25 anos.

Inicialmente, isso tinha tudo para ser um fracasso missionário; contudo, o esforço daqueles dois missionários conseguiu mudar tudo. 

As razões por que os missionários às vezes fracassam são muito complexas. A seguir, alguns dos fatores que podem causar conflitos e fracassos iniciais, segundo alguns pesquisadores:

1. Questões Pessoais, como falta de disciplina, falta de conhecimento e habilidades, necessidades físicas, espirituais ou emocionais, baixa autoestima, e estar sempre na defensiva. 

2. Questões Interpessoais, incluindo a incapacidade de se relacionar com colegas missionários e líderes de campo, bem como dificuldade de resolver conflitos tanto com a liderança, como com pessoas locais.

3. Estresse e Mudanças relacionados à adaptação cultural e linguística, desafios com a educação das crianças, fatores estressantes da comunicação e questões referentes à mudança e relocação em uma nova cultura.

4. Questões Transculturais, incluindo a incapacidade de se relacionar com a cultura ou outras pessoas, recusa ou incapacidade de mudar e adaptar-se a diferentes maneiras de trabalhar, pensar e falar, e falta de flexibilidade para trocar de função e ministérios.

5. Questões Ministeriais da Missão, tais como desafios do trabalho, falta de dons ministeriais, falta de visão e expectativa exagerada (expectativas que tenham sido manifestas).

Embora tudo isso pareça negativo, devemos entender que servir em missões transculturais é uma das transições mais difíceis que uma pessoa pode fazer. Por isso, o papel da igreja é vital, tanto como parceira no envio, como apoiando o missionário.

Então, o que a igreja pode fazer para manter seus missionários no campo? É muito importante envolver-se completamente com eles, independente de qual estágio do processo de filiação na missão eles estejam.

Primeiro, ensine os jovens a terem disciplina em sua vida pessoal e espiritual. Procure transmitir-lhes visão de trabalho com povos não alcançados e providencie para que tenham experiência com evangelismo (antes de irem para o campo). Incentive-os a serem pessoas flexíveis, por causa da variedade de experiências ministeriais que eles terão em vários contextos, bem como a ter disposição para servir debaixo de liderança, e junto com outras pessoas.

Segundo, avalie juntamente com eles o seu chamado para missões e seu andar com Deus. Este é um chamado sagrado – precisamos honrar o desejo deles em servir dessa maneira. Invista no crescimento de sua capacidade de administrar, interações interpessoais, e dons ministeriais. Obviamente, isso significa que haverá atividades e ministérios fora da igreja – em comunidades e em contextos transculturais.

Terceiro, caminhe com eles através do processo de candidatura, nos primeiros anos no campo, e também no seu ministério a longo prazo. Não deixe a tarefa de acompanhá-los somente para a organização missionária; escreva pra eles, ore por eles, visite, aconselhe, incentive. Conheça seus planos de ministério, expectativas, programação e disciplinas diárias; isso não será invasivo se você os estiver enviando e apoiando. Conecte-os à missão, fazendo com que saibam da parceria que ela pretende com eles. É muito bom quando o missionário, sua igreja, e a organização conseguem se unir para desenvolver o ministério.

E, por fim, certifique-se de que em suas viagens de furlough (um tipo de férias pra levantar sustento e visitar mantenedores e familiares), os missionários consigam separar algum tempo para o seu descanso pessoal. Eles frequentemente voltam ao campo mais exaustos do que quando partiram, e isso por causa de todo o esforço para manter e desenvolver sua equipe de mantenedores, e as visitas que precisam fazer.

Acima de tudo, crie equipes de oração que os apresentem constantemente ao Senhor, para que possam superar essas dificuldades, e para que o Espírito os dirija e os faça frutificar. 

~~~~~~~~~~~~~~
JOHN KAYSER nasceu e foi criado na Etiópia, e juntou-se à Bethany International em 1993, como consultor de treinamento missionário. Seu modelo de treinamento estimulou mais de 300 escolas de treinamento missionário, em dezenas de países.

Photo: Ben White

Fonte
https://www.mensagemdacruz.online/blogs/news/por-que-as-vezes-alguns-missionarios-fracassam

16 de junho de 2018

Oferta missionária, graça de Deus


Hernandes Dias Lopes

"A Bíblia diz que a contribuição não é um peso...", mas uma graça e graça é um dom imerecido (2Co 8.1). A contribuição não é apenas algo que oferecemos a Deus, mas sobretudo, um favor que Deus concede a nós. Deus nos dá o privilégio de sermos parceiros no grande projeto de evangelizarmos o mundo e assistirmos os santos. A contribuição é uma semeadura e o dinheiro é uma semente. A semente que se multiplica é a que semeamos e não a que comemos. Quando semeamos com fartura, colhemos com abundância (2Co 9.6). Quando semeamos coisas materiais, recebemos bênçãos espirituais na mesma medida que aqueles que semeiam as coisas espirituais, recolhem bens materiais (1Co 9.11).

Como devemos contribuir para a obra missionária?

Em primeiro lugar, devemos contribuir com alegria (2Co 9.7). A contribuição deve ser um momento de grande alegria. Dar com tristeza para a obra de Deus não tem sentido, pois antes de Deus aceitar a oferta, Ele precisa aceitar o ofertante. O Senhor Jesus diz que mais bem-aventurado é dar do que receber (At 20.35).

Em segundo lugar, devemos contribuir com proporcionalidade (1Co 16.2). A proporção é o melhor sistema da contribuição. Não deve existir sobrecarga para aquele que tem pouco nem insensibilidade por aquele que tem em abundância. O apóstolo Paulo coloca esse princípio da seguinte maneira: “Porque, se há boa vontade, será aceita conforme o que o homem tem e não segundo o que ele não tem. Porque não é para que os outros tenham alívio, e vós, sobrecarga; mas para que haja igualdade, suprindo a vossa abundância, no presente, a falta daqueles, de modo que a abundância aqueles venha suprir a vossa falta, e, assim, haja igualdade, como está escrito: o que muito colheu não teve demais; e o que colheu pouco não teve falta.”

Em terceiro lugar, devemos contribuir com regularidade (1Co 16.2). A contribuição deve ser regular, metódica e sistemática. Assim como as necessidades dos missionários são constantes, as ofertas precisam também ser constantes. As ofertas missionárias não devem ser esporádicas e espasmódicas, pois as necessidades são diárias. Não podemos reter em nossas mãos os recursos que devem promover o avanço do reino de Deus e o sustento dos obreiros do reino. A obra missionária é uma tarefa de toda a igreja. Aqueles que vão não devem receber nem menos nem mais do que aqueles que ficam guardando a bagagem (1Sm 30.24).

Em quarto lugar, devemos contribuir com sacrifício (2Co 8.3-5). Não contribuímos apenas com as sobras, mas, sobretudo, com o que nos é essencial. Devemos dar não apenas da nossa riqueza, mas também da nossa pobreza, sabendo que Deus é quem multiplica a nossa sementeira para continuarmos investindo na sua obra (2Co 9.10). Os crentes macedônios nos dão o exemplo: “Porque eles, testemunho eu, na medida de suas posses e mesmo acima delas, se mostraram voluntários, pedindo-nos, com muitos rogos, a graça de participarem da assistência aos santos. E não somente fizeram como nós esperávamos, mas também se deram a si mesmos primeiro ao Senhor, depois a nós, pela vontade de Deus” (2Co 8.3-5).

Em quinto lugar, devemos contribuir com senso de adoração (Fp 4.18). A oferta missionária é como aroma suave e como sacrifício aceitável e aprazível a Deus. Na mesma medida que assistimos as necessidades dos santos, tributamos culto de adoração a Deus com nossas ofertas. A contribuição cristã não é apenas algo financeiro. Ela desencadeia reflexos no céu e na terra; ela toca o coração de Deus e o coração dos homens.

Via http://www.sepal.org.br

28 de maio de 2018

10 Atitudes missionais para 2018


Dez atitudes missionais a serem consideradas:

1. No meu tempo de meditação pessoal na Palavra, vou buscar evidências da compaixão de Deus pelas nações


Se você procurar por essas evidências, irá encontrá-las por toda a Bíblia. Marque os textos sempre que você as vir. O Deus que chamou Abraão para ser uma benção para as nações (Gênesis 12:1-3) é o Deus que merece o culto de todos os povos, tribos, línguas e nações (Apocalipse 7:9-10).

2. Vou buscar conhecer os nomes de missionários, e orar por todos eles ao menos uma vez por semana


Talvez você já conheça vários missionários. Caso contrário, peça a seu pastor para ajudá-lo a se conectar com alguns por quem você possa orar. Visite regularmente o nosso site ou de outras agências missionárias (o site da AMTB tem uma lista extensa de agências brasileiras) para conhecer novas histórias e poder orar com intencionalidade.

3. Aprenderei sobre e orarei semanalmente por povos não alcançados no mundo

Visite o site do Joshua Project (em inglês), e faça uma pesquisa. Em oração, escolha um povo e ore para que o Evangelho chegue até o povo. Considere esta verdade: você pode ser uma das poucas pessoas no mundo orando por esse grupo.

4. Vou aprender sobre os estrangeiros na minha comunidade e irei, intencionalmente, conhecê-los


Missões começa em casa, especialmente quando Deus está trazendo as nações até nós. Precisamos olhar com amor para os migrantes que estão chegando ao nosso país. Fique atento, descubra quem está ao seu redor. Conheça-os. Compartilhe o Evangelho com eles. Ore por eles. Desacelere e se proponha a conhecer essas nações ao seu redor. Vá ao encontro delas, convide-as para sua casa. Você pode se surpreender com o quão abertas as pessoas estão para passar um tempo com você e falar sobre assuntos espirituais.

5. Planejarei e participarei de uma viagem missionária este ano

 
A maioria de nós pode ir a algum lugar, mesmo que seja em nosso próprio país. Há hoje pelo menos oito grupos no Brasil que são considerados os menos evangelizados. Você pode ir a qualquer um desses grupos. Planeje, separe um pouco de suas economias e do seu tempo para ser testemunha entre as nações. Se você não pode ir este ano, planeje dar um apoio financeiro para que outra pessoa vá. Um sacrifício para que muitos possam ouvir as boas novas.

6. Vou ouvir e ler as notícias através das lentes da Grande Comissão

Ao saber o que está acontecendo no mundo, ainda que as notícias sejam ruins, pense no que pode acontecer espiritualmente nos países de onde vêm essas informações. Ore pelos crentes e missionários que estão lá. Depois, ore pelas pessoas que não conhecem a Jesus. Não fique perturbado com as notícias – deixe que elas levem você a ficar de joelhos.

“Não fique perturbado com as notícias – deixe que elas levem você a ficar de joelhos”

7. Vou conhecer a culinária em minha região para interagir com estrangeiros


É ótimo conhecer a diversidade culinária dos países. Mais do que provar os diferentes sabores, proponha-se a também interagir com quem os está preparando. Em um restaurante de comida internacional ou comprando um quebab do vendedor ambulante, procure conhecer quem são estes estrangeiros e de qual contexto vieram. Pergunte sobre sua fé. Vá a esses lugares regularmente e conheça pessoas em sua comunidade que estejam precisando de Jesus. Creio que você encontrará muitos estrangeiros dispostos a conversar e compartilhar.

8. Orarei pelos pastores e por minha igreja para que continuem nutrindo uma paixão real e crescente pela Grande Comissão
 

Não há igrejas focadas intensamente em missões sem que o pastor e seus obreiros sejam comprometidos com a Grande Comissão. As igrejas raramente desenvolvem uma paixão que não venha do púlpito todos os domingos. Ore pelo seu pastor e sua igreja e depois siga o caminho que ele está apontando para as nações.

9. Irei envolver-me com os movimentos de erradicação da carência bíblica

 

Há um movimento acontecendo em todo o mundo neste momento para traduzir a Bíblia até as últimas fronteiras àqueles povos que ainda não têm acesso a ela, distribuir a Escritura para aqueles que têm acesso e por um motivo ou outro não têm sua própria Bíblia, e incentivar o conhecimento e a prática da Palavra entre aqueles que têm acesso, mas não vivem os princípios bíblicos. Você pode fazer parte disso orando (veja o compromisso internacional de oração em End Bible Poverty Now – em inglês), contribuindo ou mesmo distribuindo Bíblias em cada um dos 50 milhões de lares no Brasil. Pode também informar-se sobre o movimento A Bíblia em Cada Casa e acompanhar as ações que estão acontecendo por todo o país (página ABECC).

10. Considerarei e responderei com sinceridade à pergunta: “Deus está me chamando para ser missionário em tempo integral?”


Todo crente deve fazer-se e responder a esta pergunta. Esteja aberto ao chamado de Deus e ouça bem através de Sua Palavra, Seu Espírito e Seu povo. E, à medida que você estiver orando dessa maneira, ore para que seus filhos e seus netos façam o mesmo.

Sugerimos várias coisas aqui. Não se preocupe em cumprir todos esses objetivos, mas comece de algum lugar. Mesmo se você escolher apenas uma atitude missional para este ano já será excelente, especialmente se nunca antes teve uma resolução desse tipo. Faça algo em missões – e tenha um ano abençoado e obediente!

*Extraído de “10 Resolutions for Missions in the New Year”, de Chuck Lawless, traduzido e adaptado ao contexto brasileiro.

JOCUM BRASIL Comunicação trabalha para conectar você ao mundo missionário, e é entre outras coisas responsável por este Website. 


Fonte: http://www.jocum.org.br/10-atitudes-missionais-para-2018/