12 de outubro de 2010

SAMUEL HEDLUND

Samuel Hedlund nasceu em 4 de maio de 1890, na cidade de Eskilstuna, na Suécia. Converteu-se a Cristo em 23 de novembro de 1918, passando a congregar na Igreja Filadélfia, em Estocolmo, liderada pelo pastor Lewi Pethrus. Casou-se em 1920 com a irmã Tora Larsson, com quem teve três filhas: Noemi Teresia, Dorothy Charlotte e Lilian (falecida aos 4 anos).

O irmão Hedlund recebeu, na Suécia, a chamada para trabalhar no Brasil. Ela veio através de um arrebatamento espiritual. Naquele dia, Hedlund foi levado a um campo de trigo, que balançava ao sopro do vento. Ele estava com a Bíblia na mão. Jesus caminhava à frente, no meio do trigal, até que atingiram um terreno cheio de palmeiras. Naquele lugar, uma gente que ali estava olhava atentamente para ele. À medida que Hedlund pregava a mensagem do Evangelho, o povo batia palmas e uma voz na multidão ecoava: "Brasil, Brasil, Brasil". Nesse instante, ele despertou. Estava ajoelhado e com a Bíblia aberta à sua frente.

À noite, Hedlund foi ao culto na sua igreja, onde ouviu aquela mesma voz falando ao seu coração: "Brasil, Brasil, Brasil". Sua reação foi abrir os lábios em oração, dizendo: "Jesus, abençoa o Brasil". Foi quando o irmão Alfredo Gustafsson, que estava próximo, lhe disse: "É a chamada de Deus para a sua vida".

Ao ser informado do fato, pastor Lewi Pethrus corroborou as palavras do irmão Alfredo, afirmando: "Sei disso há muito tempo". O ministério da Igreja Filadélfia, em Estocolmo, sentiu o mesmo. Tora, a esposa de Hedlund, disse-lhe que há tempo Deus tinha feito com que sentisse o mesmo. Então, em 1920, Samuel Hedlund foi consagrado ao santo ministério. Obedecendo à chamada de Deus, foi enviado com sua esposa ao Brasil.

Em 8 de abril de 1921, o casal Hedlund desembarcou no porto de Recife, capital pernambucana. Ali, deram o seu substancial apoio à obra iniciada pelo casal Joel e Signe Carlson. Samuel pregava, visitava enfermos e viajava a cidades longínquas.

Em novembro de 1930, embora Gunnar Vingren ainda continuasse à frente do trabalho no Rio de Janeiro, Hedlund assume o pastorado da Assembleia de Deus no Rio, com o propósito de auxiliar Vingren no que era necessário. Naquele mesmo ano, Samuel Nystrom chegara ao Rio para também ajudar Vingren. Em 1932, Nystrom assumiria a igreja no Rio de Janeiro. Hedlund, juntamente com o irmão Jahn Sorheim, continuaria ao lado de Nystrom, ajudando-o. Nesse período, foi pioneiro na evangelização da cidade de Niterói (RJ). Foi ali que perdeu sua filha Lilian, aos 4 anos. Depois, foi a São Paulo.

Pastor Hedlund liderou a Assembleia de Deus em São Paulo, atualmente Ministério do Belenzinho, até 15 de abril de 1935, quando voltou à Suécia para um período de descanso. Antes da viagem à Suécia, Hedlund fora fichado, juntamente com o jornal Mensageiro da Paz, pelo Departamento Estadual de Ordem Política e Social (Deops) da Ditadura Vargas porque o jornal publicara, em sua edição da segunda quinzena de fevereiro de 1935, um artigo de sua autoria denominado "Bolchevismo batalhando contra o Cristianismo", onde Hedlund fala da perseguição da Rússia comunista aos cristãos. O artigo foi entendido como uma indireta à fascista Ditadura Vargas, que prendia e perseguia discordantes do regime. Aquela edição foi confiscada e foi aberto um prontuário contra Hedlund. O Mensageiro da Paz foi fichado no Deops como "jornal religioso, anticomunista e antivarguista", mas isso não impediu que continuasse a circular e que Hedlund continuasse a escrever e a pregar o Evangelho.

Em abril de 1936, sabendo que missionários Simon Lundgren e Ester Anderson já haviam visitado Campinas (SP) e desenvolvido um grande trabalho de evangelização através de literaturas, Samuel Hedlund fixou residência na cidade verdejante. No mesmo ano, alugou um salão na Rua Regente Feijó, 337, onde se realizaram os primeiros cultos, assistidos apenas pelos Hedlund e um senhor que fora evangelizado.

A seguir converteram-se Joaquina Maria do Espírito Santo e Atílio Perrot. Atílio era um açougueiro tido na região como valentão e promotor de desordens. Por isso, era muito temido. A esposa do missionário convidara Joaquina, esposa de Atílio, para assistir a um culto. Na reunião, ela entregou-se a Jesus, e por isso passou a ser maltratada pelo marido. Hedlund resolveu visitá-lo, mas foi expulso da casa de Atílio, que esbravejou: "Você ganhou a minha esposa, mas a mim você não ganha. Sou católico apostólico romano e sei o que faço”.

O homem de Deus não se deu por vencido e continuou orando e visitando Atílio, até que ele se converteu.

Três meses depois, em 18 de setembro de 1936, o missionário Samuel Hedlund realizou o primeiro batismo em águas, e entre os batizandos estavam Atílio e a esposa. A alegria enchia-lhes o rosto. No ato, o missionário quebrou em público o revólver que pertencera ao ex-desordeiro. Esse testemunho impactou a cidade e o trabalho começou a crescer. As conversões se multiplicaram e o salão se tornou pequeno para comportar o povo. Hedlund, então, alugou um novo salão muito maior, que logo ficou também superlotado.

Quando Samuel Hedlund se transferiu de Campinas para Recife em 1941, as estacas estavam bem firmadas e o Evangelho já se estendia por todas as partes da cidade paulista e localidades vizinhas.

Em Recife, o casal Hedlund auxiliou o casal Carlson por algum tempo. Posteriormente, retornou à Suécia, onde veio a falecer, em 28 de abril de 1983. Sua esposa, Tora, morreu em 31 de maio de 1988, aos 98 anos.

Sem dúvida, o casal de missionários Samuel e Tora Hedlund foi um grande exemplo de persistência e fé na obra do Senhor.

(Mensageiro da Paz, outubro 2010)

Um comentário:

  1. Samuel Hedlund ordenou o Esperidiao de Almeida,o Mártir do evangelhoe Alagoano, a pastor Em agosto de 1951, na Convenção Estadual de Alagoas. Meu avó. Hoje sirvo como pastor pelos ultimos 12 anos em compenhage Dinamarca numa igreija fundada ha 101 anos pela mesma missao Sueca da igreija de Filadelfia.

    ResponderExcluir